segunda-feira, 28 de junho de 2010

linhas do horizonte - Gomes Leal



CARTA AO MAR

Ó ondas fugitivas...
CAMÕES

Deixa escrever-te, verde mar antigo,
Largo Oceano, velho deus limoso,
Coração sempre lírico, choroso,
E terno visionário, meu amigo!

Das bandas do poente lamentoso
Quando o vermelho sol vai ter contigo
-- Nada é mais grande, maior e doloroso,
Do que tu, -- vasto e húmido jazigo!

Nada é mais triste, trágico e profundo!
Ninguém te vence ou te venceu no mundo!...
Mas também, que te pôde consolar?!

Tu és Força, Arte, Amor por excelência! --
E, contudo, ouve-o aqui, em confidência;
-- A Música é mais triste inda que o Mar!

2 comentários:

Manuela Freitas disse...

Olá boa-noite,
Gostei de ler este poema de Gomes Leal. Tenho feito pesquisas na net e nunca encontrei nenhum poema de Gomes Leal, nem tão mesmo uma fotografia.

RAA disse...

Olá, Manuela.
Espero que goste também do poema seguinte, do Alberto de Serpa.

 
Golf
Golf